Palácio da Cidadela

Horário Fechado
Fechado
Seg: Fechado
Ter - Dom: 10:00-13:00, 14:00-18:00
Morada[ + info ]
NomePalácio da Cidadela de CascaisMorada

Cidadela de Cascais
Av. D. Carlos I
2750-642 Cascais

FreguesiaCascais e EstorilGeolocalização38.694052,-9.419158 (abrir mapa)

Cidadela de Cascais
Av. D. Carlos I
2750-642 Cascais

Preço[ + info ]

Preço geral: 4,00€

2,50€: Bilhetes senior e reformado, estudante , professor, portador de deficiência.

Packs: Grupos escolares (0,50€/aluno) | Bilhete familia (5 pessoas: 12,00€) | Bilhete familia (9 pessoas: 20,00€)

Gratis: < 14 anos (inclusive) | Desempregados | Desempregados  | Mecenas Institucionais do Museu | Membros da APOM/ICOM, da Academia Nacional de Belas Artes, da Academia Portuguesa de História, da Academia Internacional de Cultura Portuguesa, da Academia das Ciências de Lisboa  | Jornalistas e profissionais de turismo no desempenho das suas funções | Professores e auxiliares educativos que acompanhem grupos escolares    

Preço geral: 4,00€

Descrição

Cinquenta anos depois de ter sido desativado, o Palácio da Cidadela de Cascais abriu ao público em 2011.

Em 1870, numa altura em que Cascais perdera já a sua importância estratégica na defesa da costa de Lisboa, D. Luís, (reinado: 1861-1889), adaptou a antiga casa do governador da Cidadela a residência de férias, libertando-a da sua função militar.

Até ao regicídio de D. Carlos (r. 1889-1908), a família real passava anualmente os meses de setembro e outubro em Cascais, transformando por completo o quotidiano da vila. A presença do monarca atraiu não apenas a corte mas também figuras do meio intelectual e literário como o grupo Vencidos da Vida, do qual faziam parte, entre outros, Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão.

Em 1882 foi construído, junto ao passeio Príncipe Real D. Luís Filipe – assim denominado desde 1896 – o primeiro marégrafo português. A partir de 1896, D. Carlos dedicou-se ao estudo dos oceanos, através de campanhas oceanográficas no iate Amélia, tendo instalado na Cidadela o primeiro laboratório de biologia marítima português.

Com a proclamação da República, em 1910, o Palácio passou a depender da Presidência, tendo sido utilizado por diversos Chefes de Estado, designadamente pelo Marechal António Óscar de Fragoso Carmona (1928-1951) e o Marechal Francisco Higino Craveiro Lopes (1951-1958).

Ao longo dos anos o edifício foi sofrendo a natural degradação da passagem do tempo, até deixar de reunir as condições mínimas para a sua utilização. Deste modo, e na sequência do protocolo de cedência da Cidadela de Cascais ao Município de Cascais em 2004, deu-se também início, em conjunto com a Presidência da República, ao processo de reabilitação do palácio.

Com a sua abertura ao público e recuperação da função de residência de verão do Presidente da República, Cascais passou a contar com mais um espaço cultural de referência, no qual se espera apresentar uma programação regular de visitas guiadas e exposições temporárias e iniciativas como conferências, seminários e lançamentos de livros. A médio prazo, a Presidência da República conta proceder à instalação de um polo museológico.

Mais informação em www.museu.presidencia.pt